Números que importam

Aproximadamente uma pessoa de cada 12 ao redor do mundo é uma menina ou mulher jovem de 10 a 24 anos. Meninas e mulheres jovens são um dos segmentos de crescimento mais rápido da população nos países em desenvolvimento, e sua saúde e bem-estar são fundamentais para criar e manter economias fortes e comunidades saudáveis. E, no entanto, avaliações precisas de acesso à educação, níveis de pobreza e atividades de censo geral são dificultadas pela falta de dados oficiais sobre mulheres e meninas. Sem essa informação básica, é difícil avaliar a necessidade de assistência externa e programas nacionais de assistência social.

A maioria dos países em desenvolvimento não contabiliza o número de meninas por dois motivos principais: falta de vontade política e/ou capacidade de contar essas meninas, ou seja, de emitir certidões de nascimento e outras formas de identificação oficial. Isso significa que, quando uma menina cresce, será difícil, se não impossível, frequentar a escola ou conseguir um emprego. Ela não vai conseguir ter sua própria terra nem iniciar seu próprio negócio. Ela não vai poder votar. Ela provavelmente vai ficar confinada em sua casa, sem receber um salário - vai ser invisível na sociedade.

Dados precisos

  • Embora a maioria dos países tenha leis que obriguem o registro no nascimento, todos os anos, 51 milhões de crianças menores de cinco anos não são registradas no nascimento.
  • Registros de nascimento são cruciais para pessoas e sociedades. As pessoas se beneficiam do status legal de certidões e as sociedades se beneficiam da disponibilidade de estatísticas de qualidade sobre eventos essenciais da vida.
  • Uma prova de nascimento reconhecida nacionalmente é a chave para determinar a nacionalidade de uma criança, local de nascimento, parentesco e idade: sem esses dados é impossível obter um passaporte ou carteira de identidade nacional.

O que você pode fazer

Não ter números sobre meninas também significa que o compromisso do governo dos EUA de priorizar mulheres e meninas na política externa dos EUA não está sendo plenamente realizado. Em 2013, o Girl Up lançou um esforço para educar os formuladores de políticas sobre a importância de obter os números reais sobre meninas e defender políticas que:

  • Garantir que as meninas sejam contadas. Os EUA devem se comprometer a apoiar e promover programas que ajudem os países em desenvolvimento a estabelecer e expandir seus sistemas nacionais de registro e identificação, incluindo certidões de nascimento e documentos de identidade nacionais. Fazer isso tornará as meninas mais visíveis para os formuladores de políticas e revelará onde as meninas são excluídas.
  • Garantir investimentos em programas de meninas. Os EUA devem apoiar investimentos estratégicos em programas voltados para meninas adolescentes como contribuintes para sociedades de sucesso.
  • Garantir que as meninas recebam o mesmo acesso. Os EUA devem promover o fim da discriminação contra as meninas e o aumento dos direitos de propriedade para garantir que as meninas adolescentes possam aproveitar igualmente os direitos básicos, como acesso à educação.

Há uma solução para garantir que mais meninas em todo o mundo, independentemente de onde nasceram, sejam contabilizadas como todas as outras pessoas: a lei de contagem de meninas.

Apoie a lei da contagem das meninas