Liderança

As meninas nem sempre podem influir em decisões que afetam suas vidas. As meninas merecem participar de suas comunidades, defender seus direitos e ser modelos para outras meninas.

A pesquisa mostra que, a partir do momento em que as meninas entram na adolescência, enfrentam restrições e limitações que as colocam em desvantagem, especialmente meninas marginalizadas de famílias pobres. Os dados mostram que, em alguns casos, 80 a 90% das participantes do programa para jovens são meninos.

Nos países em desenvolvimento, os desafios que as meninas enfrentam são ampliados pela pobreza. Em vez de aprender sobre seus direitos e sobre como podem fazer a diferença no mundo, muitas vezes elas têm suas vozes silenciadas e não influenciam as principais decisões que afetam suas vidas. Em vez de frequentarem a escola, fazer amigos e aprender habilidades para a vida, muitas meninas passam o tempo cozinhando, limpando e cuidando de irmãos mais novos. Quando as meninas têm a chance de ser ouvidas, podem ter um impacto positivo na vida de sua família, de sua comunidade e do mundo.

Dados precisos

  • Meninas gastam 33% a 85% mais tempo por dia trabalhando em casa e em atividades não remuneradas do que meninos da mesma idade. Essa situação impede que as meninas desenvolvam habilidades que lhes permitam ser autossuficientes e fornecer apoio econômico às suas famílias. Sem essas habilidades, as meninas são incapazes de defender seus direitos e os direitos das outras meninas no seu próprio país.
  • As estatísticas mostram que as mulheres e meninas reinvestem 90% de sua renda em suas famílias e comunidades, em comparação com apenas 30 a 40% dos homens e meninos.

O Girl Up e a ONU

O Girl Up trabalha com a ONU para promover líderes adolescentes, ensinando-lhes habilidades econômicas e sociais essenciais, oferecendo apoio de mentores e recursos de que de as jovens precisam para participar da vida comunitária. O Girl Up apoia programas da ONU que empoderam as meninas para que se posicionem por si mesmas, engajam meninas na tomada de decisões e trabalham com meninas, famílias e sua comunidade para explorar questões que afetam suas vida. O Girl Up apoia programas que oferecem às meninas um espaço seguro para conhecer, conversar, brincar e aprender. Proporcionar às meninas habilidades de liderança e incluí-las na tomada de decisões é uma das principais ferramentas para estimular a mudança econômica e social.

Guatemala

O Girl Up está trabalhando com a ONU e parceiros locais na Guatemala para expandir programas comprovados e impactantes que incluem o foco no empoderamento de meninas indígenas rurais, promovendo sua autoconfiança e proporcionando-lhes oportunidades de liderança. Esses programas ensinam as adolescentes sobre seus direitos, dão a elas educação e as incentivam a falar sobre questões que afetam suas vidas. Os parceiros do Girl Up estão trabalhando para promover líderes femininas, treinando mulheres indígenas e meninas adolescentes mais velhas, para se tornarem mentoras de meninas mais jovens participantes do programa. Estágios e aulas de alfabetização financeira em suas comunidades permitem que adolescentes mais velhas ganhem experiência de trabalho prática.

Malawi

O Girl Up apoia o trabalho da ONU no Malawi para promover a liderança de meninas adolescentes e habilidades de defesa de causas por meio de clubes da juventude só para meninas. Outros programas incluem atividades de geração de renda para meninas adolescentes, meios de subsistência e treinamento em habilidades profissionais e oportunidades de orientação. Os clubes proporcionam às meninas um lugar para se conhecer, aprender e jogar. Atividades como a de simulação de um parlamento ensinam as meninas sobre seu engajamento cívico e governamental, e como as leis contra práticas como o casamento infantil podem ajudar a proteger seus direitos. A educação profissional oferece às meninas adolescentes que tiveram que abandonar a escola (e, portanto, têm pouca chance de arrumar um emprego) a oportunidade de aprender habilidades como alfaiataria, carpintaria e cosmetologia. Quando as meninas se formam nesse programa, recebem seu próprio kit de ferramentas, como uma máquina de costura e uma tesoura para aspirantes a alfaiates.

Etiópia

Em campos de refugiados na Etiópia, o Girl Up está apoiando um programa da ONU que oferece às meninas uma variedade de oportunidades para se engajarem e se tornarem líderes. Programas como clubes acadêmicos de meninas e prêmios por desempenho escolar dão a meninas refugiadas a chance de serem líderes na sala de aula. O Girl Up está apoiando o trabalho da ONU para criar instalações recreativas em campos de refugiados e fornecer às meninas equipamentos esportivos e uniformes para que possam se tornar líderes no campo. O programa também concede bolsas de estudo para meninas, para cursos técnicos ou a faculdade.

Libéria

O Girl Up apoia o trabalho da ONU para promover meninas líderes na Libéria através de fóruns para meninas, onde as adolescentes mais velhas recebem treinamento para a construção da paz e de liderança. Essas habilidades são então passadas para adolescentes mais jovens em suas comunidades. O programa também oferece às meninas adolescentes treinamento e oportunidades de estágio. A Libéria tem um dos melhores modelos para meninas líderes: sua Presidente. Em 2005, Ellen Johnson Sirleaf foi eleita Presidente da Libéria, tornando-a a primeira chefe de estado feminina na África. E, em 2011, Ellen Johnson Sirleaf recebeu o Prêmio Nobel da Paz, ao lado da colega liberiana Leymah Gwobee, que mobilizou e organizou mulheres para pôr fim à guerra civil e garantir que as mulheres pudessem participar das eleições.

Índia

Adolescentes na Índia, como meninas em muitas outras partes do mundo, estão entre os membros mais vulneráveis da sociedade.  Em geral, os meninos são mais valorizados do que as meninas porque trazem o nome da família e são capazes de ajudar com o trabalho duro, comum nas regiões rurais do país.   Como resultado, os meninos são muitas autorizados a frequentar a escola e ter maior influência na sociedade, enquanto as meninas são geralmente casadas jovens e mantidas em casa fazendo tarefas domésticas.

No Rajastão, um dos estados mais populosos da Índia, as adolescentes enfrentam uma série de desafios. Nessa região, o Girl Up apoia a Iniciativa de Ação para Meninas Adolescentes do ACNUR. O programa ajuda as meninas a desenvolver habilidades de liderança, oferecendo treinamento profissionalizante e oportunidades de emprego adequadas à idade.